This page contains a Flash digital edition of a book.
Licao
-
-
Toque por soleá!
Breno Lopes de Andrade
Um dos estilos mais populares e característicos do violão fl amenco Breno Lopes de
Andrade é bacharel
em Violão Popular
O
fl

amenco é uma arte rica e complexa. Nasceu na gindo, assim, da estrita formação do campo harmô-
pela Universidade
Andaluzia, região do sul da Espanha, da mistura nico do modo frígio, que teria como acorde inicial
Estadual de Campinas
de diversas culturas, entre elas a cigana, a moura e a ju- um Em. Esse ponto merece atenção, pois muitos se (Unicamp). Na
daica. Devido à projeção internacional de alguns vio- equivocam ao analisar a tonalidade fl amenca toman-
Espanha, foi aluno
lonistas como Sabicas, Paco de Lucia e Vicente Amigo, do por base a escala menor harmônica.
de Manolo Sanlúcar,
o violão fl amenco é hoje uma forte referência para o es- A idéia da lição é montar uma pequena peça cons-
Gerardo Nuñez, Manolo
Franco e Enrique
tudo da técnica. Devido à sua abrangência e efi ciência, tituída de partes importantes de um toque por soleá.
Vargas. É pesquisador
elementos dessa técnica são incorporados por violonis- No Ex. 2 temos um compasso de introdução tocado
de guitarra fl amenca,
tas de diversas vertentes à sua maneira de tocar. inteiramente com o polegar. Lembre-se sempre de
relacionando-a com
Nesta lição, falaremos de um estilo chamado so- manter a intenção rítmica (acentuações) e marcar o
a música brasileira.
leá, abreviação de soleares. A origem dessa palavra é tempo com o pé. O Ex. 3 e o Ex. 4 apresentam com- Atualmente é guitarrista
proveniente de soledad, que em espanhol signifi ca ‘so- passos básicos em que o baixo expõe a melodia carac- do Centro de Arte
lidão’. Como a maioria dos palos (estilos) fl amencos, terística desse toque sobre a base harmônica de Am
Flamenca de Campinas
ele teve origem no cante (canto), depois passou a ser – C – F - E. Note a utilização dos golpes para enfa-
e do grupo Soniquete.
acompanhado pela guitarra (violão) e, somente mais tizar algumas acentuações, representados na partitura
E-mail: brenolopez@
hotmail.com
tarde, ganhou versões para violão solo. A soleá pos- por um quadrado. O golpe é produzido batendo no
sui um compasso bem característico de 12 tempos, tampo do violão com o anular na região logo abaixo
com acentuação nos tempos 3, 6, 8, 10 e 12, como da primeira corda. Aqui o golpe é aplicado simulta-
aparece no Ex. 1. Para facilitar nosso entendimento, neamente ao acorde tocado pelo polegar.
podemos pensar em quatro compassos de 3/4, com- Outra técnica fundamental no fl amenco é o ras-
pletando os 12 tempos e a idéia melódica. A acentua- gueo. No Ex. 5 temos um rasgueo bem típico de soleá,
ção é muito importante e deve ser marcada com o pé feito com a mão fechada, com o polegar apoiado so-
enquanto se toca. Para facilitar, treine primeiramente bre a sexta corda e liberando um dedo de cada vez, na
apenas a marcação, contando alto de 1 a 12 e batendo ordem e direção indicadas. O Ex. 6 traz uma falseta,
o pé nos tempos 3, 6, 8, 10 e 12. termo usado para designar uma variação melódica,
Tradicionalmente, a soleá é tocada na tonalidade em que o violonista elabora idéias e estruturas mais
de Mi fl amenca (também pode ser tocada em outros complexas. Como sugestão para arrematar essa ou
tons). Está construída sobre o modo frígio (Mi, Fá, outras falsetas, adicionei um compasso no Ex. 7 com
Sol, Lá, Si, Dó, Ré) que tem na cadência andaluza o uso do picado, nome dado à técnica de se tocar al-
suas principais funções harmônicas: E (tônica), F ternadamente com os dedos indicador e médio com
(dominante), G (mediante) e Am (subdominante). apoio. O Ex. 8 traz uma falseta da música Glória al
Ou seja, o acorde E é o acorde de repouso e recebe Nino Ricardo, de Paco de Lucia, e nos dá uma visão
uma terça maior por questões históricas de gosto, fu- do moderno toque fl amenco com variações harmô-
Ex. 1 Compasso de 12 tempos de soleá com seus acentos característicos
1 2

3 4 5 6 7 8 9 10
 
















 
11 12

 

 
















50
BRENO.indd 50 8/7/07 1:02:39 PM
Page 1  |  Page 2  |  Page 3  |  Page 4  |  Page 5  |  Page 6  |  Page 7  |  Page 8  |  Page 9  |  Page 10  |  Page 11  |  Page 12  |  Page 13  |  Page 14  |  Page 15  |  Page 16  |  Page 17  |  Page 18  |  Page 19  |  Page 20  |  Page 21  |  Page 22  |  Page 23  |  Page 24  |  Page 25  |  Page 26  |  Page 27  |  Page 28  |  Page 29  |  Page 30  |  Page 31  |  Page 32  |  Page 33  |  Page 34  |  Page 35  |  Page 36  |  Page 37  |  Page 38  |  Page 39  |  Page 40  |  Page 41  |  Page 42  |  Page 43  |  Page 44  |  Page 45  |  Page 46  |  Page 47  |  Page 48  |  Page 49  |  Page 50  |  Page 51  |  Page 52  |  Page 53  |  Page 54  |  Page 55  |  Page 56  |  Page 57  |  Page 58  |  Page 59  |  Page 60  |  Page 61  |  Page 62  |  Page 63  |  Page 64  |  Page 65  |  Page 66  |  Page 67  |  Page 68
Produced with Yudu - www.yudu.com